Didicas

Mulher: perder urina nunca é normal!

Perder urina nunca é normal

Quantas mulheres tu conheces que têm que se segurar para não fazer xixi quando espirram? Eu já ouvi tanto histórias assim que sempre achei que fosse normal. Até o dia em que minha prima Joana, fisioterapeura especializada em saúde da mulher, postou no Instagram a foto acima. E aí me dei conta: opa, não é normal mesmo!

Só que eu conheço uma porção de mulheres que, desde que tiveram seus bebês, passaram a não conseguir mais segurar o xixi em determinadas ocasiões. Algumas tiveram logo após o parto e passou naturalmente, outras buscaram ajuda e estão em tratamento, mas o que eu quero falar hoje é com o terceiro grupo, o que está se acostumando a fazer xixi quando espirra, tosse, faz força.

Por isso, convidei a minha prima a responder algumas perguntas sobre o assunto e para mostrar que incontinência urinária não deve ser encarada como algo corriqueiro! Confiram:

Bem que se Quis: Quais as circunstâncias em que é normal perder urina sem querer? E quais em que não é normal?

Joana Moreira dos Santos: É possível dizer que em nenhum momento é normal! Chocante ler isso, certo? Desde sempre, nós mulheres, somos condicionadas a ideia de que “ perder xixi” é algo normal, fazendo parte do processo de envelhecimento. Muitas de nós puderam acompanhar este ocorrido com mães e avós. Pois bem, aceita-se que na fase do puerpério imediato (até 40 dias após o parto) ocorram perdas. Repito, aceita-se! Durante a gestação o trato urinário, e tantas outras estruturas corporais, se adaptam, e a reversão de toda a mudança possui um prazo de no máximo 3 meses.

Passado este período de 40 dias, procure ajuda especializada! Converse com seu médico, procure um fisioterapeuta especializado.

BqsQ: Há algum sinal de alerta, para que a mulher procure ajuda?

Joana: Quem nunca ouviu a expressão: “Mijar de tanto rir” ?? Esta é mais uma frase que acaba por consolar quem percebe alguma perda enquanto solta um ataque de risos. Muitos casos não estão ligados à gestação, e muitas nulíparas (mulheres que nunca pariram) apresentam algum tipo de incontinência. Comummente estas perdas estão relacionadas a esforços, como: espirrar, tossir, se mexer bruscamente, ataques de riso, ou ao levantar pesos leves.

Vontade incontrolável de urinar, não conseguir segurar a urina por algum tempo, já são sinais de que algo está errado.

Vale destacar que durante a gestação, cerca de 64% das gestantes percebem perder o controle, com escape de urina, em algum momento.

BqsQ: Que tipo de profissional ela deve procurar?

Joana: Na consulta de rotina deve questionar seu médico ou procurar um fisioterapeuta especializado.

BqsQ: Como é feito o tratamento?

Joana: O tratamento conservador, aquele onde não há procedimento cirúrgico, é realizado sob a orientação de um fisioterapeuta especializado. A conduta dependerá da avaliação, pois cada caso precisa ser minuciosamente investigado.

BqsQ: O que provoca a perda de urina após a gravidez? Tem a ver com o parto?

Joana: Dentre tantas alterações que ocorrem no corpo da gestante, muitas delas ajudam a desencadear este incomodo. A modificação na pressão e volume vesicais, o aumento do tamanho do útero, a diminuição da força e função da musculatura do assoalho pélvico, a ação hormonal, o aumento de peso excessivo, e a condição prévia deste assoalho pélvico (muito antes de pensar em engravidar), são fatores que combinados levam a perdas urinárias.

Não posso afirmar que não há ligação entre a IU (incontinência urinária) e o parto. Mas posso garantir que um assoalho pélvico bem preparado diminui, e muito, a prevalência de IU no pós-parto.

Outra queixa comum no pós parto é a dor durante a relação sexual. E é importante ressaltar que, junto à IU, também não pode ser considerada normal!

Mulheres, perder urina NUNCA é NORMAL!!!

Joana Moreira dos Santos
Joana Moreira dos Santos
(fisioterapeuta)
(48) 9908-4363 (48)3029-3033
joana.fisio@hotmail.com
saudemulher.fst.br

Espalhe por aí:
Facebook Twitter Email

Comentários do Facebook (ou se preferir, deixe seu comentário ali embaixo)

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *