Reflexões

Por um mundo com mais pais de sling!

Esse vídeo foi feito inspirado nesse outro aqui. Quando eu o assisti, imediatamente lembrei do Queridíssimo e de tantos outros amigos meus que são pais e pais de amiguinhos do Ben, que usam o sling como algo rotineiro.

Me empolguei e convidei todos que conhecia para participarem também, pra mostrar para ainda mais gente que essa ” moda” dos carregadores pode ser muito bem incorporada aos homens. Aliás, eles têm a capacidade de usar por muito mais tempo do que nós, por aguentarem o peso por mais tempo.

Desde a primeira vez que usamos o sling, o Queridíssimo se apaixonou. Eu falei pra ele “experimenta, é praticamente a mesma sensação de tê-lo na barriga”. E ele amou! A partir daí, o sling passou a ser parte integrante da bolsa do Ben. Quando esquecíamos, era praticamente tão ruim quanto esquecer de levar fraldas, por exemplo. Com o agravante de que uma fralda é facilmente encontrável em qualquer esquina para vender.

Usamos muuuuuito o sling nos sete casamentos a que fomos em 2013. Ter um sling era certeza de que tudo ia dar certo, mesmo quando a cerimônia começava exatamente no horário em que o Ben estava acostumado a ir  dormir. Era começar a festa, e um de nós o amarrava bem amarradinho e ficava caminhando pelo local até que ele dormisse (obviamente chamando a atenção de todos ao redor).

Aqui, o sling foi usado pela última vez no final de 2013, quando fomos a um churrasco na casa de uns amigos. Não foi uma última vez programada, mas ele com mais de 11 quilos ficou meio difícil aguentar o peso por mais tempo.

Eu recomendo a todo mundo que está grávida/o ou tem bebê pequeno: sling para a vida!

Ameniza cólicas, fortalece os laços, ajuda na hora da divisão de tarefas, facilita o dia a dia (e a noite a noite) e ainda por cima é uma delícia que só.

Por um mundo com mais bebês no sling!

Espalhe por aí:
Facebook Twitter Email

Comentários do Facebook (ou se preferir, deixe seu comentário ali embaixo)

Comentários

4 thoughts on “Por um mundo com mais pais de sling!”

  1. Oi De! Adorei slingar!!! Comprei 1º um de argolas, que não gostei muito, e depois como vc sabe, eu mesma montei o meu wrap! O Alan não se animou de usar pq não tem muito jeito (ele é meio ogro!) mas achou um barato! Acho que a última vez que usei foi aos 6 meses do Mateus quando fomos ao Corcovado. Vc sabe que aqui no Rio sofri preconceito por usar sling?! Não sei nos bairros da zona sul, mas na zona norte vc não vê mães usando slings, aliás, muitas nem sabem o que é isso! Aqui se usa muito o canguru… Outro dia eu ouvi de outra mãe com canguru que nunca usaria um sling pq parecia coisa de angolana! E o pior, a pessoa que me disse isto tb era negra!!! Aff… ainda bem que não dou ouvido a estes tipos de coisas, nem me abalam!
    Sinto saudades de slingar!!!
    Bjos

  2. Queridissima De!
    Sling eh Vida… e o peso do bebe nao necessariamente eh o limite. E se eu te disser que vc ainda pode slingar muito o Ben, se vc quiser? Babywearing e igual a maternagem, vai se transformando de acordo com o desenvolvimento da crianca. No inicio, RNs precisam ficar coladinhos barriga-barriga conosco, contudo, a medida em que crescem, o interesse das criancas muda e o ato de slingar pode e deve acompanhar essas mudancas. Um bebe como o Ben jah pode ser carregado no quadril ou nas costas, no entanto vou focar no carregar no quadril. Existe uma amarracao excellente chamada Rebozo carry e com ela vc pode usar seu wrap normal, bastando dobra-lo ao meio. Essa amarracao funciona similar ao sling de argolas. Rotineiramente vejo pessoas falando mal do sling de argolas, tanto wrap quanto ringsling sao excellentes, o problema eh que faltam informacoes corretas pra que o uso do sling de argolas seja feito de modo adequado e confortavel. Sempre digo que slingar eh igual mamentacao: se ha dor, alguma coisa estah errada. No caso do wrap/ringsling, um fator crucial de conforto eh o pano da amarracao estar SEMPRE bem ajustado ao corpo da pessoa carregadora e ao corpo da crianca. Se nao me engano vc tb tem um Pouch Sling, certo? O Rebozo carry eh ainda melhor,por ser bem ajustavel. Fiz um video tutorial amador pra ensinar essa amarracao e mostrar como ampliar a vida util do wrap. Espero que seja util e que vcs possam carregar bebe Ben por muito tempo.
    https://vimeo.com/9596

    1. Oi Jux, que legal o vídeo! (não abriu pelo link, mas fiz uma busca no Vimeo http://vimeo.com/95960308)
      Então, pode até ser que tenha algo errado quando uso o wrap, mas o que pega mesmo é que nas últimas vezes que usei (e tb hoje quando fico muito tempo com o Ben no colo), eu senti foi um desconforto no quadril e nas pernas, acho que por causa do peso dele mesmo.
      Mas fiquei curiosa pra experimentar essa amarração que vc indicou. Depois volto aqui pra contar.
      Obrigada!
      Beijos

  3. Fiquei vários dias a pensar se deveria responder a um trecho especifico do comentario de Amanda. Entao decidi comentar no todo. Amanda, sligar é lindo e é vida mesmo. Se vc puder assistir o video que fiz (veja no comentario resposta da Denise), vc poderá ver uma forma de usar seu wrap por mais tempo com seu bebe.
    A outra parte do comentário que me incomodou deveras foi a questao do preconceito, especificamente em relacao as palavras da mae com um canguru que disse que nao usaria um sling pq parece coisa de angolana, em sendo ela uma mulher negra. Amanda, o racismo toma diversas formas, se internaliza nao somente na cabeca das pessoas opressoas mas igualmente na cabeca das pessoas oprimidas. O fato de essa mulher ser negra nao significa que, necessariamente, ela gostaria de carregar um bebe ao estilo africano. Sou mulher negra e moro num lugar muito pequeno na Alemanha e algumas pessoas demonstram preconceito semelhante: nao usariam panos pra carregar bebes, pq “quem faz isso sao africanas”. Houve até pessoa próxima que se chcou com minha atitude de sim, usar o wrap pra carregar meu menino, assumindo minha negritude. O fato de essa mae ter feito esse comentario só mostra que ela sabe exatamente o peso que o racismo tem na vida dela, a ponto de nao enfatizar ainda mais tracos culturais que, no Brasil, sao majoritariamente reduzidos a inferioridade dada a supremacia de uma cultura eurocentrica. O fato de essa mae ter feito esse comentario só mostra que ela sabe exatamente o peso que o racismo tem na vida dela, a ponto de ela nao querer ser associada a aspecto cultural que reforcaria ainda mais a propria negritude. Seres humanos buscam aceitacao e procuram reproduzir comportamentos que sabem sererm socialmente esperados e aceitos. E negar certas praticas é uma forma de se defender, de buscar uma aceitacao.

Deixe uma resposta para Jux Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *