Ano 2 Ben

Passou?

Pronto, passou? Passou o furacão?

Posso juntar meus caquinhos e reorganizar minha rotina?

Olha não está sendo fácil, já diria Cátia Cega. Sabe quando começa a dar várias coisas errado, e aí tu pensa: assim que passar essa fase ruim, a gente volta ao normal. Mas aí a fase ruim não passa e o que não tinha por onde piorar vai lá e piora?

Pois é. Espero que esse post marque uma virada, porque as últimas quatro semanas não foram moleza, minha gente.

Estavam lá suas várias coisinhas dando errado, a gente sempre correndo atrás pra arrumá-las e aí pimba: chegou uma notificação da imobiliária dizendo que tínhamos que sair da casa. Nessa hora meu chão caiu, porque eu achava que já estávamos na pior. Pensava “poxa, a gente faz tudo sempre direitinho, por que as coisas cismam em dar errado?”.

Imediatamente colocamos a vida em stand by e passamos a dedicar todas as horas, as livres e as não livres, para encontrar uma casa nova para chamar de nossa. Tinha que ser casa, tinha que caber nosso cão e nosso gato, não precisava ter luxo, mas no mínimo um pouco de dignidade, obrigada! E aí que isso significou um aumento de 1/3 no nosso orçamento, porque com o preço que pagávamos antes não havia nem uma kitnet na cova funda. Na verdade até tinha, mas aí não encaixava na parte da dignidade.

E então, depois de uma semana que pareceu meses, finalmente achamos uma casinha muito fofa e olhem só, numa rua chamada Nova Esperança! Sugestivo, não acham?

Eu estou apostando minhas fichas que agora as coisas começam a melhorar!

A casinha é nova, tem um quintalzão, é menos afastada do que a casa anterior, resumindo, ganhamos bastante!

A mudança durou cerca de duas semanas, porque nós mesmo fizemos. E para não dizer que só teve coisa ruim, apareceu uma porção de trabalhos para mim! O que foi ótimo, pois ajudou a enfrentarmos essa fase complexa, mas por outro lado, foi uma loucura (e ainda está sendo) trabalhar tanto em meio a uma mudança. E um filho com dente nascendo!

Sim, lembram que eu tenho um filho? Pois é, passar por tudo isso e ainda por cima proporcionar todo o conforto que nosso picorrucho precisa e merece, é possível? Sim, nós conseguimos! Mas um dia tivemos que ceder à papinha industrializada – que ele odiou, por sinal.

Na fase final do furacão, a gente achava que ele estava estranhando a casa, depois achava que era salto, mas aí numa noite de mamação intensa, no outro dia fui investigar, e lá estava um molarzão despontando! É claro que vieram dois ao mesmo tempo, então o Ben está há uma semana meio sensível…

Nessa coisa toda, nosso pequeno ainda ganhou um quarto novo! Sim, começamos uma transição gradual, sem pressa nem pressão e muito menos expectativas para que ele passe a dormir no seu próprio quarto. Estamos em processo. Quem sabe em breve temos novidades?

O quarto dele foi organizado sem nenhuma pretensão, usei um pedaço do armário que não coube na cozinha nova para servir de organizador de brinquedos, tapete de EVA no chão, colchão do berço, e voilà:

Quarto do Ben

 

 

Espalhe por aí:
Facebook Twitter Email

Comentários do Facebook (ou se preferir, deixe seu comentário ali embaixo)

Comentários

2 thoughts on “Passou?”

  1. Oi Denise, estive la no MMQD (que por sinal gostei muito) e agora estou aqui (continuo gostando muito)…

    Lendo você parece que me “escrevia” no meio do ano passado… Meu pai infartado, eu morando longe e morrendo de angústia, e problemas na imobiliária. Resultado: mudança depois de quase 5 anos no mesmo lugar. E como você disse: a gente que faz tudo direitinho e as coisas vão por outros rumos.. No caso do infarto … é a vida… mas da imobiliária, coisas de ser humano ambicioso..

    Corremos também para a mudança, infelizmente não foi para nossa casa de sonho.. como você também queria… de novo enfurnados em um apto… sem vida, sem quintal, sem varandas…
    Mas foi um pontapé para melhorarmos a moradia… Pagando também mais caro, mas com um pouco mais da bendita dignidade…

    Não é o ó do borogodó.. (só uma casa é assim).. mas vamos levando com mais espaço…

    Infelizmente a parte do infarto não se resolveu e pai vem sofrendo com isso até hoje…

    Mas a vida é assim… uma hora injusta, outra hora bondosa… E o correto é enfrentar com dignidade, sabedoria e muito amor.. o resto? Deus ajuda!

    Um beijo no Ben e outro grandão em você!

    Quero ver as novidades depois. (vou acompanhando por e-mail)

    Beijocas..Teresinha Nolasco

    1. Oi Teresinha, bem-vinda!
      Pois é, essas fases acontecem pra mostrar que nem tudo está sob nosso controle. Acho que foi uma bela sacolejada pra ‘ajeitar os melões na carreta’ ahahha. Oremos.
      Obrigada pela visita e comentário!!
      Beijos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *