Reflexões

Eu escolhi amamentar

Ao longo dessa curta porém intensa trajetória na maternidade, diversas foram as escolhas que tive que fazer, e muitas delas tiveram prioritariamente um único objetivo: o sucesso na amamentação.

Chupeta: nunca fez parte do nosso enxoval. Nunca gostei e não imaginava filho meu chupando uma. Porém, isso significa que tenho que estar disponível, pois a necessidade de sucção dele sempre foi muito grande. No início era muito comum ele só de acalmar chupando o meu dedo. Confesso que cheguei a pesquisar qual seria a melhor chupeta do mundo para dar a ele. Mas não conseguia aceitar que ele chupasse bico. E essa necessidade de sucção foi diminuindo, até que ele descobriu as próprias mãozinhas e resolveu por si só a sucção. Muita gente dá a chupeta pois não quer bebê pendurado no peito o dia inteiro. Duas coisas tenho a dizer sobre isso: primeiro, a sucção não nutritiva (vulgo chupeitando) é tão importante para a amamentação, pois ela ajuda a equalizar a produção de acordo com a necessidade do bebê; e segundo que mesmo que o bebê fique pendurado o dia inteiro no peito, tudo são fases. E elas passam MUITO rápido!

Mamadeira: já escrevi aqui sobre a mamadeira e sobre a dificuldade que tivemos por o Ben não aceitar meu leite de maneira nenhuma. Bom, assim como com a chupeta, escolher não dar mamadeira implica que tenho que estar muito disponível. Ele não toma aquela mamadeirona antes de dormir, e dizem as más línguas que é por isso que não dorme a noite inteira (há controvérsias, mas tudo bem). Mas EU ESCOLHI amamentar, então estou disposta a encarar as delícias e dores da amamentação. Se isso significar uma, duas, três horas, a noite inteira no peito, tudo bem. Vou ficar exausta, vou xingar meio-mundo, vou ficar de bode com o Ben, mas sei que isso é mais uma fase e que ela vai passar.

Cama compartilhada: sempre fui absolutamente contra. Sempre achei que era carência de mãe, mimo do bebê, desnecessário e separador de casamentos. Mas foi uma coisa muito natural: Ben dormia em um moisés no nosso quarto, depois mudamos pra casa nova, quarto maior e o moisés ficou pequeno; então foi o berço pro quarto; no início eu levantava 1, 2, 3 vezes, dava de mamar e devolvia ele pro berço. Mas com o tempo fui esquecendo, e ele acabava dormindo entre uma mamada e outra na nossa cama. Como isso não era lá muito confortável pra mim e nem pra ele, acoplamos o berço ao lado da cama e assim ganhamos nosso espaço. Foi tão natural, nem pensei nas teoriae e muito menos que ele vai separar nosso casamento, ou querer dormir na nossa cama até os 12 anos. Só pensei em uma coisa: a cama compartilhada é a maior aliada da amamentação. Admiro muito quem mantém a amamentação noturna em quartos separados, e entendo muito quem não goste de cama compartilhada e não veja a hora do desmame. É muito cansativo amamentar de madrugada, e com a cama compartilhada isso não é problema: eu nem sei quantas vezes acordamos para mamar!

Amamentação implica disponibilidade, entrega. Eu escolhi amamentar. O resto é consequência.

Queria fechar essa Semana Mundial da Amamentação com uma sequência de imagens que diz muito sobre a paixão do Ben pelo peito e a minha alegria em amamentar.

Ben e o peito

Espalhe por aí:
Facebook Twitter Email

Comentários do Facebook (ou se preferir, deixe seu comentário ali embaixo)

Comentários

14 thoughts on “Eu escolhi amamentar”

  1. Essas fotos estão realmente lindas, De!

    Eu também amo amamentar, não trocaria por nada. Acho esse contato imprescindível pra eles e, principalmente, pra mim. Ainda assim, fiz algumas escolhas diferentes das suas (e também, justamente, para priorizar a amamentação), o que só mostra como realmente cada dupla mãe/bebê tem que encontrar seu caminho.

    Agora, preciso te falar que não vinha aqui há séculos (férias + viagem + aniversário do Rapha) e só agora vi que vc parou de trabalhar! Admiro tua coragem, e desejo muita sorte e realização nessa nova fase.

    Beijo!

    1. Realmente Ilana, não existem regras, tem que ser o que funciona melhor pra cada dupla mãe-filho. Isso que é o mais importante!
      Te entendo, também não tenho conseguido acompanhar os blog como gostaria… mas sim, saí do meu emprego, agora trabalho em casa!
      Obrigada!
      Beijos

  2. Parabéns pelo texto De!!! Lindas fotos de vcs!!!
    Conheço bebês que só tomam mamadeira e ainda sim acordam várias vezes a noite pra mamar, não encuque com isso, coitadas das mães que precisam preparar, o Ben já tem lá prontinho a seu alcance!!!
    E a gente nunca agrada mesmo todo mundo, sempre tem um perguntando pq não da mamadeira? Se a pessoa já da, como é o meu caso, sempre perguntam pq não da Mucilon, mingau e afins… Chega a ser chato…
    Engraçado que antes, na gravidez, eu falava que ia amamentar somente 6 meses. Tive aquele início difícil, mas não desisti e agora todos perguntam até quando irei amamentar, eu respondo que ainda quero por bastante tempo, visto o fato do Mateus ser super saudável! É muito gostoso chegar do trabalho e ver ele todo alegre pq vai mamar, não tem preço!!!
    Vcs estão lindos!!!
    Bjos!!!

    1. É bem isso Amanda, tomar mamadeira não quer dizer que o bebê vá dormir a noite inteira porque nem sempre ele acorda por fome. Peito é muuuuito mais que alimento.
      Também acho uma delícia quando chega a hora de mamar e ele vem todo todo alvoroçado pra cima do peito!
      Beijos

  3. Adorei De!
    Aqui também acoplamos acama ao lado. E é até hoje!!!
    Bom, agora n tem jeito e ele escolhe onde quer dormir. e adivinha? no meio do papai e da mamãe, e tem que ser no meeeeeio, n adianta colocar do lado de um ou outro. ele sempre volta pro meio! rs (e ele mal sabe falar!!!) rsrsrs
    beijos e boa sorte!!!

    1. Ahahaha, esses pequenos que já sabem de tudo, hein?
      O pior é que no espaço do berço só cabe ele, né? Ficamos espremidos na cama, e nem dá pra se espalhar pro lado porque não cabe!
      Neijos

  4. sempre digo que a amamentação me ensinou a ser mãe.
    pq a amamentação em LD é entrega e dedicação absoluta. é encontro de olhos, pele, alma… é constuir o vínculo a cada dia.

    eu – eu, eu , eu – não poderia entender a maternidade sem o leite no meu peito.

    um beijo, Dê!

Deixe uma resposta para Gabi Grossi Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *